quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

CONTOS SEM CLASSE - Textos Sem Curso - Snake Eye's

Dentro de uma seleção de contos tão variada, podemos sentir, de forma soberba, o estilo colorido e luminoso de Snake Eye’s. Em todos os seus trabalhos flutua de maneira quase palpável uma névoa delicada de lirismo, poesia e sentimentos, que se entrelaçam e dão relevo a cada linha e palavra, transformando seus contos, narrativas e mini-contos em viagens oníricas onde nossos corações são dominados e sujeitados à beleza das emoções. E são diversas essas emoções, são diversos os sentimentos, mas predominando sempre a emoção suscitada pelo inusitado e pelo original. Alegria, curiosidade, romantismo, lirismo, suspense, ternura, adrenalina. Não é fácil analisar a obra de Snake; não se pode resumir o que cada conto nos transmite, exceto se usarmos a palavra “emoção” como sinônimo de fantasia-magia-amor, como se essas três palavras fossem uma única. 
Nesse belo trabalho, que reúne diversos temas nos quais ela tem trabalhado nos últimos meses – e que eu posso me gabar de conhecer, já que tenho o privilégio de ter lido muitos deles – temos exemplos perfeitos do que foi dito acima. Amor, lirismo e sensibilidade afloram no conto Amores Platônicos, onde ela descreve o amor não consumado como uma espécie de lição para os jovens e adultos que se deixam atrelar às convenções sociais estéreis. Gaiola Dourada, Morte Antiquada e Fogueira de São João e Seu Antônio tem o mesmo toque lírico, em que o amor, em qualquer de suas formas, é enaltecido, seja o amor pela vida, liberdade e natureza (Gaiola Dourada), o amor pelo trabalho e pelos objetos de valor afetivo (Morte Antiquada) e o amor pela família (Fogueira de São João e Seu Antônio). 
O terror, gênero tão difundido e bem aceito, tem seu representante nesta coletânea, com os contos Demônios nas Sombras, Espuma Branca em Céu Azul e Vovô Coveiro. No primeiro, o suspense que cativa o leitor, um estremecimento de medo a cada linha, onde o impensável pode acontecer, e de fato, acontece. Espuma Branca em Céu Azul tem o tom poético entremeado de sugestivas impressões que levam o leitor, lentamente, ao desenlace súbito e assustador, mas de certa forma, muito realista. Vovô Coveiro é um mini-conto onde o terror nada tem de sobrenatural, mostrando uma dura realidade de nosso dia a dia. A ficção científica de Snake em seu representante no excelente conto Do Pó ao Pó. Uma maneira original de mostrar a FC brasileira, Snake inspirou-se nos mangás e na literatura japonesa de ficção, criando mundos pós ou pré-apocalípticos, onde a ciência e a magia se mesclam. 
Em sua tríade Metamorfoses, a magia sobrenatural está presente, bem como o Amor, novamente representado em três formas distintas e igualmente belas: Casulo & Mortalha, o amor à natureza e o esplendor da vida que renasce nas asas da borboleta e do anjo; Momento Efêmero, o amor adolescente pela magia do mundo das fadas e entes sobrenaturais; e finalmente, em Crianças de Deus, o amor aos animais, representados pelos pombos, tão injustamente maltratados pelo seres humanos.
Foi um grande prazer ler essa coletânea de Snake, e um privilégio ser a sua prefaciadora. E, tenho certeza, ninguém ficará indiferente a tantas manifestações distintas das emoções mais profundas do coração humano, presentes nos belos contos aqui escritos.
 
Edição: Clube dos Autores
86 páginas
Para adquirir, clique aqui

2 comentários:

  1. Uma resenha belíssima assim como sei que tbm é a antologia. Parabéns Snaké pela primeira antologia própria!

    ResponderExcluir
  2. Meu nome é Carlos Roberto de Souza, poeta e editor do Fanzine Episódio Cultural. Convido você a participar do meu novo (Grupo Academia Machadense de Letras). Publique gratuitamente seus poemas, contos, crônicas, música, saúde, livros, sugestões de filmes, Artes, Shows, teatro, cinema, dança, artesanato... Acesse o link abaixo:
    https://www.facebook.com/groups/149884331847903/

    ResponderExcluir